sábado, 24 de outubro de 2009

Tio Sukita explana seu primeiro problema de relacionamento.

O textículo abaixo escrito em forma de conto que fiz, tem o intúito de registrar algumas gírias idosas que tanto adoramos, mas que infelizmente, muitas delas cairam no desuso, ficando até perdidas e esquecidas nas décadas de 60, 70 e 80. (ah! o narrador da história foi inspirado no Tio da Sukita na época que ele era jovem) Quem lembra do comercial da Sukita? Hein Tio?



Pindaíba é fogo. Sempre acredito que todos meus problemas são causados por culpa da dureza. Mas percebi que outras coisas podem por um relacionamento por água abaixo.
Apesar de toda minha boa pinta e com minha beca transada, eu não tenho nem um puto furado no bolso, nem pra colocar gasosa no meu carango... ok ta mais para um calhambeque meio careta... mas isso não vem ao caso. Sem me importar com essas paradas de tutu, resolvi, naquele dia, botar pra quebrar mesmo assim. Me vesti na estica e fiquei tinindo. Fui numa matinê com toda a patota. Encorajado pelos chapas, comecei a paquerar Vera, uma patricinha batuta. É muito difícil flertar esses tipos de brotos... e se vc não é mauricinho é pior ainda. Pombas! é de lascar namorar uma dondoca. Oras bolas, tem que ter dindin para conseguir ir na onda dela.
No começo do namoro, apesar de gastar o que tinha e o que não tinha, tudo estava xuxu beleza.
Mas heis que logo no fim do primeiro mês do nosso lance, do nada ela se transformou... ficou du piru... parecia que tava com a macaca e eu fiquei sem entender patavinas do que estava acontecendo... no começo ela era supimpa pra dedéu e derrepente começou a ficar borocochô sem motivo aparente... com isso fui ficando cada vez mais grilado com aquilo e comecei a pensar besteiras... por ser um carinha sem tutu, ela provavelmente tinha vergonha de mim e me achava cafona. Era tanto tormento, que não aguentei mais e resolvi estourar a boca do balão... Chutar o balde mesmo!. Eu a chamei na xinxa e perguntei: "Ei, o que rolando? Por algum acaso você está me achando um chapa chato de galocha e para não falar muito pobretão para seu gosto?" Ela respondeu: "Claro que nãaaaooo! Da onde você tirou essa idéia 13" nisso começou a chorar. Disse que achou mancada da minha parte pensar isso dela, afinal ela não é filhinha de papai fútil. Completou dizendo que me achava um estouro, um pãozinho bem bacana. Achei chocante ela tava na minha... acabei gamando mais ainda por ela. Mas mesmo assim, ainda estava com a pulga atrás da orelha. Fui tentar saber o que estava pegando, porque eu queria muito ficar com a barra limpa, para que assim tudo realmente ficasse jóia entre nós, sacou? E depois de muito conversar e sem entender bulhufas do que tava deixando o broto de bode, percebi que era o momento de dar no pé, não iria dar um cano pra sempre, iria só vazar por um tempo... até ela parasse de ter aqueles siricuticus, não gosto de ser esculachado... aqui não violão! não sou goiaba!
Ao contrário do que vocês devem estar pensando, não sou um carinha quadrado. Sou bem pra-frentex e até que tenho umas idéias ponta firme sobre o lugar das mulheres no mundo. Fiz de tudo para que o broto ficasse bacaninha, quando não sobrou mais nada para amaciar a carne, saí de fininho na tentativa de respeitar o espaço dela e para não a deixar mais fula da vida ainda, parei de fazer minhas traquinagens e de ser um piá peralta.
E Bicho! num é que como num passe de mágica o brotinho ficou todo serelepe de novo?! Depois ela me explicou... Aquele momento que ela estava passando são coisas que acontecem com todas as mulheres, todos os meses, questão de hormônios. Nós homens estamos lascados eternamente... não tem como fugir dessa barra. "Nós sifu".
Ufa, que alívio! Pensei que ia dançar no primeiro mês... ainda bem que saí dessa na boa. Mas agora aprendi. Passar por isso denovo ficou fichinha. Todo mês eu xispo quando vejo que vai começar o pega pra capá e ela começa a ficar tiririca da vida sem motivo. E fico supimpa pra dedéu, mas sozinho, na minha... depois que passa o temporal, eu volto e nós ficamos chuchu beleza pelo resto do mês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário